Cams.

Adotado no Evelyn's Place.com Camila C. Crosgnac Fracalossi, sagitário, 17 de dezembro de 1990. Formada médica veterinária pela UNESP Botucatu, namora o João (Fev/10) e é paraense de coração.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Nostalgia: lembranças favoritas dos anos 90


Os anos 90, pra mim, são especiais por si só. Eu nasci lá no fim de 1990, uma semaninha exata antes do Natal, e tive uma infância noventista bem gracinha. 'bora viajar comigo?

As lembranças mais fortes que eu tenho dessa época são, com certeza, as roupas! Os cabelos a gente ignora um pouco, mas também foi quando eles começaram a voltar ao normal, né nom? Hahaha.

Geral perdida no meio dos cabelos lol
Se bem que nem todo mundo escapou ileso disso daqui:

Ileso até que sim, mas dificilmente ilesa hahahaha
Dentre as minhas peças favoritas da moda dos anos 90, estavam, com certeza, essas daqui:

Blusa e brincos de cigana
A grande maioria das meninas acabou pegando essa ~tendência da novela Explode Coração, onde o cigano Igor e a cigana... er, eu só lembro que existia um cigano Igor! Hahahahaha. E que eu tinha uma blusinha florida alaranjada da C&A que eu implorei pra minha mãe, porque ela não gostava do modelo. Eu tinha uns 4 ou 5 anos e também implorei por um brinco de moedas, na feira. Eu sou extremamente alérgica ao mundo e insisti no brinco - na época usava direto uma argola de ouro com um pingente ridículo com a letra C. Eu até posso usar outros brincos, mas preciso tirar no mesmo dia. Minha mãe quis deixar de um dia pro outro e eu tive uma inflamação TÃO feia que me deu até febre. Lembro que era dia de pizza na casa da minha avó e eu tava lá, morta no sofá, com muita dor. Minha orelha inchou tanto que meu pai teve que usar um alicate pra cortar meu tão amado brinquinho :(

Tattoo choker
Quando surgiu a moda (em meados de 1997/98), eu me apaixonei pelas tattoo chokers! Tive as pulseirinhas e as gargantilhas e amava muito. Morria de medo da moda sumir e comprei MUITAS! Mas né, eu tinha duas cachorras malucas (Lassie e Kyara ♥) que sempre arrebentavam as pulseirinhas - as gargantilhas enroscavam no meu cabelo, mesmo, pra variar hahaha. Fiquei sem e (poucos) anos depois me deu MUITAS saudades, mas ainda nem Youtube existia pra procurar tutorial. E lá ia eu, todo ano, procurar quando lembrava da existência. ATÉ virar moda no Tumblr e existir tutorial no Youtube, mas eu nunca achar a porcaria do fio. Até virar moda de novo e eu fazer um estoque de 994564161 porque amor verdadeiro é amor eterno! Hahahaha.

Converse All Star ♥
All Star, outra paixão eterna: tive um All Star rosa que ganhei no meu aniversário de 15 anos e me acompanhou até os 23. A tradição é passar meu aniversário de All Star rosa, pra sempre lembrar de quem eu sou. Não importa a roupa, o All Star rosa é mandatório. Ganhei um novo de presente indireto do papai de aniversário, que é meu novo xodó - mas ainda não tive coragem de usar, haha.

Falar de roupa e não pensar em seriados é quase impossível. As tendências de moda eram diretamente lançados de lá pras nossas telinhas!


Friends durou 10 temporadas maravilhosas, com roupas e cabelos maravilhosos (e outros nem tanto, haha). Em Mighty Morphin Power Rangers, Kimberly e Trini se vestiam como verdadeiras divas dos anos 90. Buffy (de Buffy The Vampire Slayer) é nossa eterna heroína capaz de lutar de saia, salto e cabelo arrumado e continuar gata (hu3). Mas, pra mim, nada é mais 90s do que Beverly Hills 90210 (ou, como na voz do narrador da Globo acompanhado da música tema: Barrados no Baile!). Aliás, a série é tão boa quanto Friends mas completamente underrated :(

Falando em Power Rangers: Amy Jo Johnson (a maravilhosa Kimberly Hart, mais conhecida como "a rainha das rangers rosa") também participou do seriado Felicity (que era chatinho pra caramba, mas eu adorava vê-la na Sony antes de... tcharam: BH90210 hahaha!).

Maravilhosa! ♥
Aqui no Brasil, por sua vez, a minha melhor lembrança é e sempre será referente a Mamonas Assassinas! Não dá pra descrever a primeira sensação de perda da grande maioria das crianças dessa época. Foi impossível não se chocar com o acidente, tanto quanto era impossível não se contagiar pela alegria e simpatia dos meninos, que estarão por todo o sempre em nossas memórias e em nossos corações ♥

Meus xuxuzinhos ♥

Lembranças nostálgicas que só me lembram da casa da minha avó. Aaah, que saudades! E a gente fica velho, a vida fica doida mas pelo menos a gente sabe que foi feliz, não é?

Logo vem um post com o Top 10 guloseimas dos anos 90! ;)

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Review: novo álbum do Busted - Night Driver

Atenção: essa review é uma impressão de fã. Nada técnico, nada científico. Have some fun, folks! ;D


Quase todo mundo que me conhece sabe que a minha banda favorita é o Busted, há um booom tempo. Mas quase ninguém conhece, hahaha.
O Busted se formou na Inglaterra em 2000, composto de James Bourne, Matt Willis e Charlie Simpson. A banda fez um sucesso imenso e lançou dois álbuns, Busted (2002) e A Present To Everyone (2003). A conhecida música Year 3000, que se tornou sucesso na voz dos Jonas Brothers com trechos ridiculamente cortados ou substituídos foi um de seus maiores sucessos. Em 2005, porém, o Busted acabou devido à saída de Charlie, que pretendia se dedicar exclusivamente à sua banda flopada, o Fightstar.
Em 2013, Matt e James fizeram parte do genial McBusted (cujo álbum é um dos meus favoritos no universo ♥), e em novembro de 2015 finalmente revelaram que O BUSTED ESTAVA DE VOLTA com um vídeo muito emocionante no Facebook oficial da banda.
Em maio desse ano, eles enfim lançaram sua primeira música em 12 anos, Coming Home, disponibilizando download grátis da mesma, e um ano depois do anúncio do comeback, lançaram o álbum Night Driver.

Com a liberação de algumas músicas no canal da banda no Youtube, minha ansiedade mal agüentava pelo novo álbum, em especial depois da regravação da minha música favorita, Meet You There. Quando o álbum saiu, eu tava LOUCA pra ouvir, mas eu queria o MEU álbum, hahaha. Foi aí que eu ganhei de presente de aniversário adiantado do melhor namorado de todas as galáxias!




Busted - Night Driver
Lançamento: 11/11/2016
Compre aqui / ouça aqui.


01. Coming Home (vídeo)

"Went past the Taj Mahal
It's so fucking beautiful
But I miss my family
There's nothing else to see
I'm coming home"

A primeira música nova do Busted. Quando saiu, eu ouvi até o final e soltei um "ahn?". Ouvi de novo, e a música me dá uma sensação gostosa de nostalgia. Totalmente diferente, e uma boa abertura pra essa nova fase: Busted is back to stay, bitches! Elegi como a minha música de formatura.

02. Night Driver

"When you're riding around in the dark
With nothing but you and the beat of your heart
Would you believe it?
You better believe it, Annie
You're a night driver"

A minha menos favorita, hahaha. O ritmo é bem anos 80, batidas fortes e dançantes. Cola na cabeça, hahaha. Impossível não dar uma reboladinha ou não querer tentar um moonwalk. A little bit of power pop.

03. On What You're On (vídeo)

"She has a kind heart
Kind of love, take the time
to come save my soul
I'm so over misbehaving"

Mais uma extremamente dançante. Já me peguei fazendo passinhos de robô e imitando o vídeo no meio da cozinha enquanto assava um bolo (!), haha. Aquele grudinho gostoso pra cantar na fila do banco ou na sala de espera do médico (minha companhia favorita da fisioterapia, juro! haha).

04. New York

"I'm a little bit tired
I'm a little hungover
I don't know how to spend the day
As the city gets brighter
In the morning I wonder
How I let you slip away"

Uma das músicas que mais representa o Busted de 2005, pra mim. Uma das minhas favoritas de cara, amor à primeira vista. Um pop-rock moderninho bem delicinha e nostálgico.

05. Thinking Of You

"She's on fire, like no one else could get me higher
I guess I'm just a fucking liar
No matter where I go 
No matter what I do
I keep thinking of you"

Me lembra um negócio meio bolha de sabão, meio "2001: Uma Odisséria no Espaço". Eu não sei explicar, só sei que me dá uma sensação bem gostosa, hahaha. 

06. Without It

"But if you don't give a damn about it
Tell me that you can't get your head around it
Maybe we'd both be better off, both be better off without it"

Sou apaixonada por essa música. Me lembra um pouco umas bandinhas desconhecidas de 2005, que que adorava. Nossa nova 3 AM, como muita gente bem disse ♥

07. One Of A Kind (vídeo)

"I don't know what to say I'm in an empty stare
I try to think of something
But there's nothing there
In my mind you're one of a kind
It feels like love at first sight"

Música que me fez voltar pra adolescência, de alguma forma. Aquele momento apaixonado da vida, em que dá vontade de se declarar numa cena clássica brega de filme da Sessão da Tarde (Heath Ledger much?). Mais uma oitentista e, cara... eu odeio a música dos anos 80, mas sou obrigada a dizer que pegaram só a polpa e fizeram um negócio sensacional!

08. I Will Break Your Heart

"While we're at the start, let's pretend
That we'll never be apart and I will break your heart in the end"

Mais uma que me dá uma sensação totalmente 2005, me lembrando Alkaline Trio (alguém algum dia na vida conheceu essa banda além de mim? lol). Saímos dos anos 80 diretamente para os belíssimos anos 90, a esse ponto do álbum. E sim, eu sempre me sinto num túnel do tempo quando ouço as músicas na ordem original.

09. Kids With Computers

"Find another day that breaks my heart
Nothing I can say is ever enough for you
When I look around think I see the future
It's just kids with computers"

GEEKS. BUSTED. NERDS. Mais alguém me identifiquei? Proud to be a kid with a computer ♥ e louca pra fazer uma camisa com isso, hahahaha.

10. Easy (vídeo

"No fun when you're the only one
Love drunk when the others sober
No moon when the day has gone
No sun when the night is over
And I wish it were
A little more easy"

MINHA FAVORITA DESDE O PRIMEIRO MOMENTO EM QUE A ESCUTEI. Sou apaixonada pelas músicas do James, e essa é a cara dele. Sem mais. Amor puro, Busted puro. Poderia facilmente ter feito parte de um dos álbuns antigos.

11. Out Of Our Minds

"It's clear that the weekend means nothing to me
We here but we don't know how
We go off forever, indefinitely
We don't know the difference now
Cause we're out of our minds
We spend most of our time"

Mais uma música de Sessão da Tarde, de filme musical da Disney. Música de ouvir cantando alto num carro conversível, na rua vazia enquanto o vento esparrama os cabelos. Poderia inclusive fazer um crossover com Flipside (The Click Five).

12. Those Days Are Gone (vídeo)

"Sooner or later when the winter comes
I will picture us together
In my mind forever I will be holding on
Oh those days are gone"

Apaixonei? Apaixonei. A nova Why, com um pouco de synth pop. Inclusive me empolguei tanto com a música que desencavei o violão e mesmo com três anos de ferrugem, tirei a melodia completa e gravei. Amor puro.


Impressão final: de cara, parece que o Busted mudou por completo. Mas um ouvido mais atento percebe que a aparente mudança não passa de um amadurecimento musical. Por outro lado, também é possível apreciar o novo estilo sem necessariamente curtir o antigo. A inegável qualidade vocal e instrumental da banda somada aos sintetizadores, luzes e elementos surpreende pela forma como se encaixam, como se sempre tivessem caminhado juntos. Por vezes, os instrumentos são substituídos por elementos tech, o que não foi o caso em Night Driver. O álbum parece conter algum tipo de droga, capaz de permanecer num repeat eterno sem enjoar o espectador. Me surpreendeu da melhor forma possível. E aos meus colegas de fã-clube anti-Charlie: ele até parece mais simpático! HAUAHAUHA.

Nota final: 5/5.

E vocês, o que acharam do álbum? (:

sexta-feira, 25 de março de 2016

Viagem: Soure/PA (Ilha do Marajó)

Desde pequena, minha mãe sempre sonhou em conhecer o Marajó. Essa vontade foi passada para mim, que desde pequena sempre fui apaixonada por animais - dentre eles, os búfalos. Quando cheguei à FMVZ Unesp Botucatu e descobri que tínhamos búfalos por lá - pelos quais eu passava todos os dias, para minha alegria -, a paixão só aumentou. E então, namorando um paraense e me apaixonando cada vez mais por esse estado maravilhoso, veio a idéia: conhecer, enfim, a Ilha do Marajó. Como me planejei para passar quatro meses por aqui, realizando parte do meu estágio obrigatório, decidi que aproveitaria essa grande oportunidade.

Nossa viagem começou na sexta feira, dia 18 de março de 2016. Fomos a Soure com a lancha rápida da empresa Expresso Tapajós, que sai do Terminal Hidroviário Porto Luís Rebelo Neto (Avenida Mal. Hermes, 901), na Estação das Docas, em Belém/PA. A saída é às 08h00min. As passagens podem ser compradas pela Internet, no setor de vendas online, e custam R$48,00 o trecho. A viagem dura aproximadamente 2 horas e é bastante estável, pra quem enjoa em viagens hidroviárias (mas não dispense o Dramin® ou o Plasil®, haha), sendo mais curta e tranqüila do que a viagem de barco.

Embarque para a lancha - Belém/PA.
 Lancha Expresso Tapajós (Belém - Soure/Salvaterra).
A lancha vai primeiro até Soure, onde desembarcamos num trapiche de madeira, e depois atravessa para o outro lado do Rio Paracauari, indo pra Salvaterra. Descemos em Soure por volta das 10h00min e a nossa pousada ficava logo à frente, atravessando apenas uma rua.
Trapiche - Soure/PA.
Pousada e Restaurante Ilha Bela - Centro - Soure/PA.
A Pousada e Restaurante Ilha Bela também serve refeições para aqueles que não estão hospedados por lá. Com um preço que varia de R$40 a R$60 por refeição (serve de 2 a 3 pessoas, dependendo do apetite), o lugar serve refeições de carne vermelha, frango e peixe, bem como porções, saladas e pratos individuais.
Logo que chegamos para a nossa primeira refeição em Soure, percebemos que comeríamos muito bem durante a nossa estadia. Escolhemos uma refeição de filé a Marajoara (filé de búfalo com queijo do Marajó, bem diferente da mozzarella de búfala que conhecemos no Sudeste - parece mais com aquele requeijão mineiro de corte e é bem gorduroso saboroso haha), acompanhada de arroz à grega, farofa, feijão e batatas fritas. Pagamos R$60,00 por um prato muito bem servido para dois gordinhos, haha.
Refeição: filé de búfalo a Marajoara (Pousada e Restaurante Ilha Bela).
Para quem tiver a intenção de ficar hospedado na Pousada e Restaurante Ilha Bela, recomendo verificar a disponibilidade e os preços no Booking.com. Usei para realizar a minha reserva e depois entrei em contato por telefone com os administradores da pousada, sr. Niel e dona Bianca. Eles pedem que façamos um depósito de 50% do valor para segurar a reserva, o que é plenamente justo - sendo que muitas pessoas cancelavam a reserva em cima da hora ou simplesmente não apareciam.
A pousada (na verdade, a cidade) só tem UM pequeno "problema", por assim dizer: nem todo lugar aceita cartão de crédito. A Pousada e Restaurante Ilha Bela aceita sob determinadas condições e adicionais, por isso verifique. Além disso, algumas vezes a indisponibilidade do sinal de Internet dificulta e impossibilita que alguns locais o façam, por isso tenha sempre dinheiro em mãos (eu levei todo o montante em dinheiro para não passar por constrangimentos do tipo).
Quarto de casal - Pousada e Restaurante Ilha Bela.
Aos hóspedes, é servido o café da manhã (incluso na reserva) das 07h00min às 09h00min. São servidos leite, café, suco de frutas, frutas, pão, manteiga (comum e de búfala), queijo do Marajó, presunto e bolo. Além disso, caso o hóspede deseje, eles servem a tapioquinha e o omelete feitos na hora, especialmente para você!
Café da mahã - Pousada e Restaurante Ilha Bela.
Em nosso primeiro dia em Soure, resolvemos passear nos arredores da pousada para conhecer, de fato, a cidade. Além disso, queríamos ir a um curtume conhecer e comprar os produtos em couro de búfalo. Descansamos um pouco depois do almoço, já que acordamos antes das 05h00min, e saímos por volta das 15h00min. Subimos pela Travessa 13 e logo na Segunda rua, encontrei búfalos pastando calmamente no meio de uma área de gramíneas.
Búfalos pastando no Centro de Soure/PA.
 Búfalos pastando no Centro de Soure/PA.
Seguimos adiante, onde encontramos a Paróquia Menino Deus (Terceira Rua, 1428 - Centro). Apesar de ser atéia, eu particularmente admiro muito a arquitetura das igrejas e sempre faço questão de conhecê-las e pedir uma graça pela minha mãe (como ela bem me ensinou). Respeito muito a fé alheia.
Paróquia Menino Deus - Centro - Soure/PA.
Paróquia Menino Deus - Centro - Soure/PA.
Paróquia Menino Deus - Centro - Soure/PA.
De lá, continuamos caminhando pelo Centro e demos de cara com um búfalo de carga na rua, o que é muito comum (mas eu achei o máximo!)...
Búfalo de carga no Centro de Soure/PA.

...e continuamos o nosso caminho, até chegarmos à pracinha e decidirmos pegar um táxi para irmos um pouco além do Centro. Nisso, conhecemos o sr. João, taxista gente boa e super solícito que nos levou até o Curtume Art'Couro Marajó (Rua Primeira, 450 - Bairro Novo) por um precinho bacana. Lá, comprei presentes para a minha família, em especial para minha mãe - uma sandália e uma bolsa de couro de búfalo. O curtume aceita cartão de crédito, o que facilita bastante - além dos preços, que são muito bons!
Curtume Art'Couro Marajó - Soure/PA.
O sr. João nos sugeriu passar em mais alguns lugares, como a M'BARAYO Cerâmica Marajoara (Travessa 20, entre Terceira e Quarta ruas) e a loja Pretinho do Bacabeiro. Não guardei o endereço da Pretinho do Bacabeiro, mas sendo bem sincera, não curtimos - apesar de ter comprado uma camiseta de búfalo, achei as coisas caras e o atendimento ruim.  Mas a M'BARAYO eu recomendo a visita! Fomos recepcionados pela esposa do ceramista e pesquisador Carlos Amaral, descendente dos Aruãs, povo indígena local. Ela nos conta e explica que eles seguem a tradição ceramista da forma mais fiel possível, usando tinta de pedra (as pedras são moídas e misturadas com água, dando cor à cerâmica), verniz de dente de porco e os desenhos são feitos com ferrão de arraia. Isso tudo nos é mostrado pessoalmente, e eu achei o máximo. Depois disso, a peça vai para o forno e está finalizada. Todas as peças existentes lá também nos são explicadas segundo o uso na tradição Aruã - peças de casal, de comemoração dos nascimentos etc. As peças têm uma beleza única e eu trouxe para mim um prato de parede da Tartaruga (que representa a prosperidade) e do Sapo (que representa a saúde).
Depois do passeio, voltamos finalmente à pousada, tomamos um banho e repetimos o mesmo do almoço no jantar - carimbamos o filé a Marajoara em nossos passaportes, hahaha. Deixamos combinado com o sr. João, o taxista, o passeio do dia seguinte - o mais recomendado de todos os que estiveram em Soure: a Praia do Pesqueiro, que fica a cerca de 13 km do Centro de Soure.
Acordamos cedo no dia seguinte, tomamos nosso café e nos aprontamos para a praia. O tempo estava levemente chuvoso, mas eu já havia lido (e percebido, no dia anterior) que a chuva passava por volta das 10h00min, quando o sol brilhava forte e vistoso no céu de Soure. E assim saímos da pousada pelas 09h00min e fomos com o sr. João até lá. Ele mesmo nos recomendou o Restaurante Recanto dos Guarás, da dona Mirian. Lá, fomos atendidos pelo Sidnei e muito bem recebidos. Tomamos uma água de côco enquanto o tempo melhorava e logo fomos dar um mergulho.
Restaurante Recanto dos Guarás - Praia do Pesqueiro.
Côco gelado.
Atenção: o Restaurante Recanto dos Guarás oferece wi-fi e aceita cartões de crédito. Todavia, esteja preparado para imprevistos e pergunte sempre - assim que chegamos lá, nos avisaram que o sinal estava fora do ar, portanto não poderiam aceitar cartões e nem oferecer a Internet grátis. O sinal do celular também não funciona lá, então caso precise chamar um táxi de volta ou algo do tipo, peça à dona Mirian para usar o telefone do local.
Depois do nosso banho, encontramos o Guerreiro, um búfalo. Pudemos montá-lo e passear nele (sonho da minha vida!) e tirar fotos.
Guerreiro, o búfalo.Passeio de búfalo.
Passeio de búfalo.
Durante esse passeio, conheci o Bife (nome dado por mim), um vira-latinha simpático e companheiro que nos acompanhou durante nossa caminhada pela extensão da praia.
Bife e eu.
Bife e eu.
Praia (deserta!) já explorada, era hora do nosso almoço. Foi a primeira refeição que variamos: pedimos um prato feito de filé de búfalo a Marajoara (acompanhado de salada, arroz, feijão, batata frita e farofa) e um prato de filhote (peixe tradicional da culinária amazônica, muito saboroso!) ao molho de camarão acompanhado de arroz branco. Bebemos também um delicioso suco de cupuaçu!
Almoço.
A praia deserta é um verdadeiro paraíso. A gente sente como se a praia fosse nossa. Além disso, acaba sendo um passeio bem romântico e tranqüilo.
Amor <3
Amor <3
Para aqueles (como eu) que nunca estiveram em uma praia de água doce, não é tão diferente das de água salgada: encontrei UMA conchinha para guardar de recordação e a água tem ondas. A maré mais forte é a da manhã, e deixa a areia com umas marcas lindas. O que tem de mais diferente é que a cor da água muda - no Marajó, ela é mais escura porque é salobra, mas é bem limpinha, ao contrário do que possa parecer aos desavisados.
Água salobra.
Marcas na areia.
Marcamos às 14h00min do sr. João nos buscar na praia, e de lá fomos conhecer mais uma cerâmica: Arte Mangue Marajó (Travessa 23, 1069 - Pacoval). O artesão, Ronaldo Guedes, foi super atencioso e tem peças maravilhosas! Senti um pouco menos de atenção do que recebemos no M'BARAYO, mas trouxe muitas peças - quadrinhos de cerâmica, miniaturas de peixe-boi e tartaruga e até mesmo uma xícara marajoara. Gostei muito do trabalho deles. Li pela Internet que eles ofereciam oficinas de cerâmica, então quem tiver interesse pode entrar previamente em contato para agendar, caso seja possível.
Voltamos à pousada e, dessa vez, decidimos por um jantar diferente. Eu tomei um tacacá em uma barraquinha lá pela beira do Rio Paracauari - paguei R$9,00 pela cuia grande. Para quem não conhece, tacacá é um caldo feito de tucupi e goma de tapioca temperados, acompanhando camarões inteiros e jambu, verdura amazônica conhecida por deixar a boca dormente. O tacacá é servido numa cuia e normalmente vem com um palitinho ou garfinho para espetar os camarões e o jambu e misturar a goma com o tucupi para serem bebidos. É servido quente e dá um calor... hahahahaha!
Tacacá.
Dali, fomos comer um lanche no Burrinho Lanches (Primeira Rua - Centro). Fomos bem atendidos e os lanches vieram bem gostosos, mas ficamos chateados com a falta do queijo do Marajó nos mesmos. E o preço é ótimo, vale a pena!
No domingo, em nossa despedida de Soure, fomos informados que a Polícia estaria montada em búfalos em frente ao Mercado Municipal, e lá fomos aguardar - mas esperamos e nada deles. Fiquei chateada, mas segui às minhas compras finais: na loja Conveniências da Fazenda (Terceira Rua com Travessa 14), comprei filé de búfalo (R$25,00/kg, mas vendem por peça - a minha custou R$27,00) e queijo do Marajó (R$22,00 a barra de 500 gramas) e em uma outra loja de laticínios, encontrei a minha paixão do fim de semana - manteiga de búfala! Paguei R$8,00 o pote. Ainda sobrou um tempo para subir no coreto e tirar foto, hahaha.
Coreto.
Voltamos para a pousada, descansamos e descemos para almoçar o nosso filé de búfalo a Marajoara de todos os dias, haha. Fizemos o check out, fechamos nossa conta e atravessamos a rua para aguardar a nossa lancha, que passaria primeiro em Salvaterra e, por volta das 14h30min, sairia de Soure com destino a Belém.
Até logo, Soure!
E no meio do domingo (20/03/2016), a nossa aventura marajoara chegou ao fim, com as boas vindas virando um "até logo" muito convidativo. Soure nos recebeu muito bem e foi uma das viagens mais marcantes e especiais que já fiz em minha vida. Espero voltar um dia e levar pessoas queridas que apreciarão muito esse passeio.

Contatos:

·         Ateliê Arte Mangue Marajó: (91) 98763-1738 / 98043-8903
·         Curtume Art'Couro Marajó: (91) 98156-6818 / 98870-3804
·         M'BARAYO Cerâmicas Marajoaras: (91) 98249-2534 / 98518-4149 / mbarayo@hotmail.com
·         Paróquia Menino Deus: (91) 3741-2214 / paroquiasoure@bol.com.br
·         Pousada e Restaurante Ilha Bela: (91) 3741-1313
·         Restaurante Recanto dos Guarás (Praia do Pesqueiro) - WhatsApp: (91) 99829-6706
·         Secretaria de Turismo de Soure: secretaria-turismo-soure@hotmail.com

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Crônica: Sergipe.

Sergipe.
Por Camila Fracalossi.

Um moço. Camisa branca de mangas compridas dobradas displicentemente até os cotovelos, calça social azul escura, sapatos pretos. Pele branca, bonitos olhos azuis em contraste com oa cabelos escuros escorrendo nos olhos. Uma mala discreta e moderada de carrinho, com uma mala menor da mesma cor acomodada em cima dela. Junto dele, uma moça. Levemente mais alta que ele, devido também aos sapatos pretos sociais de salto baixo. Cabelos aloirados, olhos castanhos, rosto fino com oclinhos intelectuais. Vestia um terninho em azul escuro. De longe, pareciam um casal - mesmo que de colegas de trabalho. Combinavam de um jeito especial, e nem tinham trocado uma palavra até então.

"Esse ônibus vai para Campinas?", perguntou uma senhora descabelada, de cabelos escuros grisalhos completamente desgrenhados. A moça assentiu, simpática, provando que os oclinhos e ps bicos super finos do sapato fino eram apenas meros intimidadores, e derrubou sua passagem no chão. O moço abaixou-se para pegá-la.
"Obrigada", ela respondeu ao recebê-la das mãos dele.
"Sem problemas", ele sorriu, e os olhos dele pareceram sorrir também. Parecia a desculpa perfeita para que o destino os juntasse. "E então, vai pra Campinas?"
"Ai, vou", ela riu. "Queria entrar logo no ônibus pra descansar..."
"Nem me fala, quatro horas de viagem", ele concordou. "Você é de lá?"
"Na verdade, vim de Brasília. Morei em outros lugares também, e agora moro lá, mas tou sempre viajando a trabalho", ela respondeu.
"E o que você faz?"
"Sou psicóloga, mas trabalho com RH. Faço entrevistas e contratações pra uma loja", ela sorriu. A aparência intimidadora estava explicada. "Mas e você, de onde é?"
"Sou de Sergipe", ele respondeu.
"'cê tá brincando...", ela riu escandalosamente. O moço ficou sem graça, sem entender, e ela não parava de rir.
"O que é que tem?", ele a interrompeu, confuso.
"Eu nasci lá! Minha família toda é de lá! Mudei para Brasília na adolescência... mas todo mundo voltou a morar em Sergipe, e eu vim pra cá"
O moço riu. Realmente, tremenda coincidência, e os dois esperando para entrar no mesmo ônibus em Botucatu.
Conversa vai, conversa vem - trocaram informações sobre as escolas em que estudaram, as comidas favoritas e o que era mais gostoso em voltar pra lá.
"...então vou nesse final de semana aproveitar o Dia dos Pais com meu pai e matar as saudades de tudo!", ela terminou.
"Eu também vou nesse fim de semana! Vai quando?"
"Ah, saio de Viracopos na sexta...", ele assentiu, "...à noite!"
"Eu também", ele riu, parecendo de fato alegre pela descoberta. "Que empresa?"
"Azul...", ela respondeu, também risonha.
"Bom, então nos veremos novamente!", ele sorriu.
Durante a viagem, uma parada em Tietê. Ele desceu e voltou com uma bala, e ofereceu-a a ela num gesto amigável.
O final da história é desconhecido, ainda. Mas, se depender de quem vos fala, eles se apaixonarão em Sergipe.

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Minha bolsa - 2014.

Eu sempre faço essa tag - tem post de 200920112012 e, agora, de 2014! :D (podem programar o próximo pra 2015, se for seguir a seqüência lógica :P)



Minha bolsa atual é um troço IMENSO: uso pra sair, pra ir pra faculdade, pra viajar (sim hahaha) e nunca precisei carregar algo na mão porque não cabia nela. É pra isso que serve uma bolsa, afinal, e eu choro de medo do dia em que ela não existir mais, porque nenhuma vai superar :P


Marca: Hering.


Vamos à brincadeira, então: o que é que tem na minha bolsa, dessa vez?

 photo 6439db30-bbe3-443b-ac99-9974365d7c30.jpg
iPod Touch 4th generation: case by MiniInTheBox.com (já falei da loja aqui!). Não vivo sem, tem minha vida e minhas músicas (aka minha vida HAHA) e não troco por nada ♥
Celular Sony Xperia E dual chip: celular é sempre essencial, né? Meus chips da Tim (DDD 14, de Botucatu) e da Oi (DDD 19, de Campinas).
Bala Tic Tac 100 - sabor morango: nem gosto de bala, mas é sempre bom ter umas balinhas na bolsa quando você passa o dia fora e viaja por quatro horas duas vezes na semana, né? É.
Estojo transparente: tem meu chaveiro de morango feito pela lindinha da Beatriz (e que faz super sucesso, e as pessoas perguntam se fui eu que fiz! haha).
Guarda chuva: esse foi comprado na Liberdade, em São Paulo. Apesar de ser ligeiramente pequeno (ou eu que sou grande? Hm.), ele é maravilhoso e não quebra com o vento de Botucatu! A cordinha dele quebrou, então eu a substituí por esse chaveiro maluco comprado na Daiso Japan pra não perder ele no meio da bolsa, haha.
Memória externa: carrego quatro cartões SD e três pendrives na bolsa. E se você acha que isso é maluquice, é porque não sabe o tanto de vezes que a memória do SD da minha câmera acabou em uma aula de Patologia, onde eu preciso tirar fotos de peças, hahahaha.
Bloquinho: ganhei esse de aniversário, dos meus amigos. Tou o tempo todo precisando anotar as coisas, e ainda prefiro o bom e velho papel :P (apesar de usar o celular por comodidade, mas eu esqueço de olhar). duh
Elástico de cabelo: além do calor e dos bad hair days da vida, eu sempre preciso estar de cabelo preso nas aulas práticas.
Escova de cabelo: essa me acompanha há anos! Hahaha. Não precisa de um bom motivo, né?
Lencinho ultra suave: comprei um pacote com 10 desses na Daiso Japan também. Ele é ótimo pra não ficar machucando mais o nariz no meio daquela alergia horrenda.
Buscofem®: deixo na bolsa para eventuais cólicas menstruais (mais dazamiga do que minhas, porque eu dificilmente as tenho) e pr'aquela dorzinha chata de cabeça que aparece.
Creme para mãos de corujinha - aroma de maçã verde: odeeeeio creme. Odeeeeio! Mas esse é uma delicinha, absorve rápido, não meleca e tem o cheiro (e a embalagem!) mais kawaii do universo. Não me lembro onde comprei, mas foi lá pelo Tanlup!
Álcool 70% em spray - Kleenex: esse também existe há eras, mas a verdade é que eu só reutilizo a embalagem enchendo com álcool 70% comprado na farmácia, em vidrinhos normais de 50/100ml (; os álcoois em gel têm me incomodado, porque depois de um tempo eles começam a melecar demais :P o spray é bem mais prático!
Necessaire pequena: também comprada na Daiso Japan, e veio junto com uma maiorzinha.
Carteira de sereias: demorei eras pra descobrir que eram sereias e não bruxinhas, haha. Comprei na Liberdade, em promoção na Fancy Goods! Carrego meus documentos, dinheiro, cartão de crédito, fotos 3x4 (tenho pavor de faltar na hora em que precisa e tiro tipo 20 de uma vez hahaha), meus cartões de visita e tal.
Blusinha fina e leve de frio: pr'aqueles momentos de emergência de ar condicionado maluco da faculdade ou do ônibus de viagem. Hm. E na cor bege, pra funcionar em qualquer situação.
Chaves: carrego dois conjuntos de chaveiro por questões de duas casas, haha. Normalmente deixo a de Campinas com meus pais enquanto não estou na casa deles. Meus chaveiros são muito especiais: na de Campinas, mantenho um abridor de garrafas florido em formato de chave (o que é meio metalingüístico, segundo uma amiga) e um coelhinho de pompom que ganhei do meu irmão; já na de Botucatu, carrego a minha bruxinha (que faz par com o bruxinho do João ♥), a minha patinha (adquirida num curso da USP esse ano) e meu mais recente membro do chaveiro: UM TRICERÁTOPS MARAVILHOSO E IMENSO! Ele é de uma banquinha da Feira Hippie de Campinas, e vale MUITO à pena ir lá ver os chaveiros da moça porque são gracinha demais! Não conhecia o site e ele está me dando leve vergonha alheia, mas é isso aí.
Estojo.
Estojo com meu chaveirinho lindo de morango (xodó ♥), lapiseira, canetas e grifa textos, corretivo de fita em formato de porquinho da Cis (ganhei da Ma!), grampeador com grampos coloridos, apontador e borracha Maped Architect
Necessaire pequena Daiso Japan com pacote de lencinhos comuns de bichinho (também da loja!), anti-alérgico, lencinhos umedecidos Ricca (chá verde), pendrive (mais um!) de cartão da Accessorize de Londres e paninho mágico limpador de óculos (e tela de celular, haha).
A minha bolsa nunca muda muita coisa em conteúdo, né, só nas tralhas novas que eu encontro por aí, haha. E vocês, o que carregam em suas bolsas?